domingo, 18 de dezembro de 2011

RELATÓRIO FINAL ESTÁGIO SUPERVISONADO I EM QUÍMICA


                                         











Curso de Licenciatura em Química










RELATÓRIO FINAL
ESTÁGIO SUPERVISONADO I EM QUÍMICA














Barra do Bugres, MT
2011
                                         







EDERVAL PEREIRA DE SOUZA









RELATÓRIO FINAL
ESTÁGIO SUPERVISONADO I EM QUÍMICA






Relatório final apresentado no Curso de Licenciatura em Química – IFMT/UAB, como requisito parcial para obtenção de créditos do Estágio Supervisionado I, sob a orientação da tutora presencial Prof.ª Neuza França da Silva e da tutora à distância Prof.ª Cleide Neli de Sousa Taveira.














Barra do Bugres, MT
2011
SUMÁRIO
1.    INTRODUÇÃO
2.    SISTEMATIZAÇÃO DO DIAGNÓSTICO
2.1.        Instrumentos/Técnicas Utilizadas
3.    CONSIDERAÇÕES FINAIS
4.    REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS


























1.    INTRODUÇÃO
Este relatório tem o intuito de discorrer o trajeto percorrido por mim nesta primeira etapa do Estágio Supervisionado.
O meu alvo para a realização do Estágio Supervisionado I foi os alunos do 9º ano B da Escola Municipal Guiomar de Campos Miranda, situada na Rua 06, S/Nº, COHAB João Cristante, na cidade de Barra do Bugres-MT.
Nesse contexto, o relatório aborda a importância do estágio para o estudante de licenciatura, bem como faz um descrição da professora de Ciências da Natureza e dos alunos do 9º ano B e também faz um retrato da escola através do diagnóstico que fora realizado observando documentação da escola como PPP (Projeto Político Pedagógico) e Regimento Escolar e as visitas em loco onde observo toda a estrutura de funcionamento e realizo entrevistas e conversas dirigidas com a administração da escola.
No final com base nos dados coletados aponto algumas considerações que acredito ser relevantes.

















2.    SISTEMATIZAÇÃO DO DIAGNÓSTICO
2.1.        Instrumentos/Técnicas Utilizadas
Com base em pesquisas e leituras realizadas ao longo do curso de Licenciatura em Química e em especial na disciplina de Estágio Supervisionado I, gostaria de salientar para importância do aluno de licenciatura em realizar o estágio e seguindo essa linha de raciocínio Horta no seu artigo intitulado “Importância do Estágio Supervisionado em Cursos de Licenciatura” esclarece que:

O processo para uma carreira sólida, no caso da docência, a construção de tal base se inicia durante o curso de licenciatura e tem como uma de suas principais etapas a estágio curricular supervisionado, pois durante o momento do estágio o aluno terá a oportunidade de aplicar na prática todos os conhecimentos teóricos que aprendeu em seu curso de licenciatura. Além disso, aprende a resolver problemas e passa a entender a grande importância que tem o educador na formação pessoal e profissional de seus alunos.

Inicialmente tive uma conversa com a Tutora Presencial a Profª Neuza, a qual foi pra mim muito esclarecedora no sentido de contribuir para que eu pudesse ter um bom desempenho na realização dessa primeira etapa do Estágio Supervisionado. Ela me apontou os caminhos a ser seguidos, como: realizar a impressão do material que estava disponível na plataforma do curso, escolher a escola e a turma onde fazer o estágio, bem como se colocou ao inteiro dispor para ir comigo na escola quando da primeira visita.
Então na tarde do dia 27 de outubro de 2011, eu juntamente com a Tutora Presencial a Profª Neuza, nos dirigimos até a Escola Municipal Guiomar de Campos Miranda, a qual foi escolhida por mim para realização do estágio, onde nesta oportunidade matemos o contato com o diretor, as coordenadoras pedagógicas e também com professor titular da turma onde eu iria estagiar. Fomos muito bem recepcionados por ambos os pares e me autorizaram a realizar o estágio. Aproveitei também pra conhecer a turma qual eu iria estagiar.
No dia 31 de outubro de 2011, retornei a escola para realizar etapa do estágio que envolvia a observação em sala de aula. Inicialmente a professora titular da sala da turma do 9º ano B me apresentou aos alunos e pediu que eu ficasse a vontade e me sentasse em uma carteira em ponto da sala de aula para que eu pudesse observar o trabalho dela, bem como o desempenho dos alunos da turma em sua disciplina. Compareceu a aula naquele dia 24 alunos. A professora começou a aula entregando e comentando sobre uma avaliação escrita que haviam realizado na semana anterior, solicitou que em grupo os alunos refizessem as questões que havia errado. Em seguida os alunos em grupos com o auxílio da professora iniciaram a apresentação de trabalhos de experiências que estavam descritas no livro didático adotado. As experiências apresentadas foram: Como provar a existência de oxigênio no ar?, Como provar que o gás carbônico apaga a chama? e outras mais. Achei interessante o conteúdo das aulas, em especial o trabalho com as experiências, pois percebi que despertou dos alunos e teve uma ótima participação dos mesmos. Após o desenvolvimento das experiências a professora abriu espaço para que eu conversasse com os alunos e aplicasse a eles o questionário de diagnóstico.
Fazendo uma análise e tabulando os dados do diagnóstico realizado com os alunos pude então constatar que a maioria gosta das aulas de Ciências, gostam dos assuntos trabalhados na disciplina de Ciências e possuem livro didático de Ciências. A maioria deles também afirmou que nas aulas de Ciências são realizadas atividades práticas (experiência) e que também gostam de desenvolver atividades práticas e de fazer os exercícios da disciplina. Houve maioria que responderam sim que gostam de trabalhar em grupo e também afirmaram que gostariam de ter aulas com materiais alternativos como, modelos, maquetes para trabalhar os conteúdos. Quanto às dificuldades em relação à disciplina, entender os conceitos foi a mais marcada, seguida de compreender as fórmulas e compreender os textos, apenas um aluno afirmou ter dificuldade em realizar os experimentos. Quando questionados se tinham alguma sugestão a fazer em relação às aulas de Ciências, metade dos alunos disseram não ter nenhuma sugestão, já a outra metade disseram sim e apontaram como sugestão, que tenha mais aulas com exposição de experiências.
A professora titular da turma possui habilitação na área de Ciências Biológicas, segundo ela realizou curso de aperfeiçoamento no último ano, também afirmou que raramente a escola oferece momentos para a socialização de informações referentes ao aperfeiçoamento na área das Ciências da Natureza. Afirmou também fazer uso de livro didático e que realiza as atividades práticas com os alunos somente em sala de aula. A professora confirmou que faz avaliação processual, tirando dúvidas, por intermédio de leituras, experimentos, trabalhos e avaliação escrita. Quando questionada se costuma expor as produções dos alunos para a comunidade escolar, ela disse que às vezes. Segundo ela os materiais de apoio para o desenvolvimento das aulas são muito poucos. Ela procura desenvolver as atividades de forma contextualizadas. Para a professora os seus alunos possuem uma boa aprendizagem em Ciências da Natureza. Ao ser questionada, que ações gostaria de desenvolver com os alunos e quais os obstáculos para que essas ações se realizem, ela disse que seria necessário um laboratório ou um espaço próprio, com equipamentos e materiais para a realização de experiências.
Observando a sala de aula, pude constatar que a professora adota livro didático de Ciências e que há uma boa interação entre a professora e os alunos nas aulas. Aparentemente os alunos se mostram motivados a participar das atividades e a sala possui um ambiente agradável. Não há mural na sala. Vi que a professora propõe trabalhos em duplas e em grupos e que as atividades que foram desenvolvidas em sala de aula naquele dia eram muito interessantes, pois todos os alunos participaram com empolgação. Havia naquele dia vinte e quatro alunos participando das aulas de Ciências. Em relação a disciplina dos alunos percebi que era relativamente boa, todos participaram ativamente da aula, não sei se por um dia de apresentação de experiências, mas gostei do que vi. Constatei que a professora utiliza pra desenvolver suas aulas, livros, quadro acrílico, pinceis e naquele dia específico utilizou os materiais para o desenvolvimento das experiências (água, vasilhames, bicarbonato, vela, pires, fósforos e outros). A professora iniciou a aula entregando e comentando sobre uma avaliação escrita que haviam realizado na semana anterior, solicitou que em grupo os alunos refizessem as questões que havia errado. Logo após os alunos se dispuseram em grupos e com o auxílio da professora iniciaram a apresentação de atividades de experimentos que estavam descritas no livro didático adotado. As experiências apresentadas foram: Como provar a existência de oxigênio no ar?, Como provar que o gás carbônico apaga a chama? e outras mais. Achei interessante o conteúdo das aulas, em especial o trabalho com as experiências, pois percebi que despertou dos alunos e teve uma ótima participação dos mesmos. Não posso afirmar que todas as aulas sejam interessantes e tenha participação ativa dos alunos, talvez aquele dia fosse atípico, pois se tratava de desenvolvimento de atividades diferenciadas.
Em relação à estrutura e funcionamento da escola. A mesma recebe o nome de Escola Municipal Guiomar de Campos Miranda, foi criada sob o decreto de lei nº 964/94, possui somente o Ensino Fundamental, com regime anual e seu funcionamento ocorre nos turnos matutino e vespertino. A entidade mantenedora da escola é a Prefeitura Municipal de Barra do Bugres-MT por intermédio da Secretaria Municipal de Educação e Cultura, a mesma encontra-se autorizada e reconhecida pelos órgãos competentes. Em relação ao número de pessoal, a escola possui cinco administrativos, cinqüenta e oito professores, oitocentos e oitenta e seis alunos e os demais funcionários (limpeza, merendeira, inspetores, porteiros, técnico em informática e outros) são ao todo vinte e cinco. A escola não possui psicóloga especifica que preste assessoria psicológica aos alunos e professores e nem algum outro tipo de serviço, depende exclusivamente do órgão que há mantém. Também não possui grêmio, clubes, cooperativa escolar e nem jornal escolar. Mas conta com uma pequena biblioteca escolar que contém um acervo muito bom e também merenda escolar, a qual é servida a todos os alunos e mantida também prefeitura municipal com acompanhamento de uma nutricionista responsável pela alimentação escolar de toda a rede municipal de ensino. A escola conta com diversos tipos de recursos didáticos, dentre eles: televisão, data show, aparelho de DVD, mural, máquina de xérox, scanner, laboratório de informática com acesso a internet, jogos diversos, not boock e outros mais. Observando a biblioteca verifiquei que a escola com alguns títulos de livros na área de Ciências da Natureza que estão disponíveis aos alunos e professores, dentre eles: Ciências. Matéria e Energia; Ciências Química e Física; Ciências, Natureza e Cotidiano; Construindo Consciência; Ciências Naturais – Aprendendo Com o Cotidiano e outros. Segundo a direção e coordenação da escola, o calendário escolar é elaborado com a participação do Conselho Deliberativo da Escolar, direção e coordenação, professores e demais funcionários da escola. O critério adotado para constituição de turmas é idade/série e quantidade e que todos os alunos recebem a merenda escolar.
Nesta oportunidade também observei e analisei o PPP (Projeto Político Pedagógico) da Escola Municipal Guiomar de Campos Miranda, o qual segundo a direção e coordenação da escola foi elaborado e é reeditado todos os anos pelo corpo administrativo da escola, com representação de toda a comunidade escolar e o Conselho Deliberativo da Escola. A escola possui regimento escolar e encontra-se atualizado em conformidade com a legislação vigente. Na matriz curricular consta que a escola destina oitenta horas anuais a disciplina de Ciências da Natureza no Ensino Fundamental.
Ainda tratando do PPP, o mesmo tem como missão construir novas formas de educação, que atenda ao desenvolvimento do conhecimento científico sob a ética dos problemas que afetam a comunidade escolar. Sua clientela é formada de crianças e adolescente de 6 a 14 anos de idade. Em relação à aprendizagem a escola segue as orientações contidas nos PCNs (Parâmetros Curriculares Nacionais), adequando-os a realidade local. A relação da escola com as famílias ocorre através de reuniões periódicas e extraordinárias, eventos culturais e palestras. Em se tratando dos recursos, como já frisei antes, a unidade mantenedora da escola é a Prefeitura Municipal de Barra do Bugres-MT, por intermédio da Secretaria Municipal de Educação e cultura, também segundo a direção e coordenação, a escola recebe uma vez por ano uma quantidade X em dinheiro de acordo com o número de alunos matriculados no ano anterior do FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento Escolar), oriundo do programa PDDE (Programa Dinheiro Direto na Escola). Criado em 1995, o Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE) tem por finalidade prestar assistência financeira, em caráter suplementar, às escolas públicas da educação básica das redes estaduais, municipais e do Distrito Federal e às escolas privadas de educação especial mantidas por entidades sem fins lucrativos, registradas no Conselho Nacional de Assistência Social (CNAS) como beneficentes de assistência social, ou outras similares de atendimento direto e gratuito ao público”. Outra fonte de recursos são as promoções que a escola realiza ao longo do ano letivo. Todos estes recursos são gastos em prol da escola, foi o que afirmou a administração da escola. Em relação às diretrizes pedagógicas a escola implantou o ensino de nove anos e vem se adequando aos poucos desde sua implantação. O currículo é moldado dentro dos princípios de integração, inclusão, ludicidade atendo os parâmetros oferecidos pelo MEC (Ministério da Educação e Cultura). A escola possui como norte para suas ações pedagógicas o planejamento anual, que é elaborado no inicio de cada ano letivo pela direção, coordenação e os professores.

3.     CONSIDERAÇÕES FINAIS
Com base nos dados coletados na presente etapa do Estágio Supervisionado I realizado na Escola Municipal Guiomar de Campos Miranda, é possível apontar algumas considerações. Inicialmente observa-se que a escola apesar de ter muitos recursos didáticos, ainda falta um laboratório para o desenvolvimento das experiências práticas tanto dos alunos como dos professores da disciplina de Ciências da Natureza. É importante também salientar que os recursos que a escola possui são poucos usados pelos professores; dando a entender que lhes faltam conhecimento prático para manusear alguns dos equipamentos ou até mesmo criatividade para adequar os conteúdos aos recursos tecnológicos.
Percebi também que falta um entrosamento maior entre a equipe administrativa da escola, pois nem todos sabem o que ocorre na escola, isso ficou claro num dia de visita que realizei quem ninguém sabia por andava o diretor e o secretário administrativo da escola e também questionamentos que fiz relacionados à parte administrativa da escola, somente uma pessoa estava apta a responder.
Também ficou claro que os alunos estão fadados com aulas expositivas, utilizando tão somente livro didático, quadro negro e giz ou quadro acrílico e pincéis. Eles querem que a escola evolua e que os professores não fiquem parados no tempo e no espaço, que acompanhe o processo de modernização pelo qual o mundo está passando.
Compreendi que ao terminar o curso de Licenciatura em Química, ainda necessitarei de estar sempre realizando cursos de aperfeiçoamento para estar atualizado. Também é necessário mudar a didática quais os professores dessa escola utilizam. Como profissional tenho que aprender a lidar com o inusitado (recursos tecnológicos) de forma criativa, reflexiva, crítica e construtiva, rompendo com isso a aplicação de soluções prontas ou práticas padronizadas.
É sem dúvida um dos grandes desafios da educação nesse novo século transformar a escola em um espaço de aprender a aprender. É importante salientar que para isso, deve se repensar nos modelos pedagógicos até então utilizados pelos educadores e ter a ousadia de acreditar em novos métodos com a integração das várias tecnologias. O foco centra-se, porém, mais na formação dos alunos diante das necessidades da sociedade atual do que na própria tecnologia. Isso porque tecnologia sozinha não garante a aprendizagem e não opera mudanças na Educação.
Todos nós somos sabedores que a escola está inserida em um contexto complexo de relações. Promover mudanças na escola, a partir da introdução das tecnologias, depende de uma série de fatores, que ultrapassam a pura aquisição de equipamentos ou a capacitação dos professores. É preciso que toda a comunidade (gestores, pais) acredite que é necessária a mudança, participe na sua implementação, conheça todo o potencial que as tecnologias podem trazer para a melhoria da qualidade da aprendizagem dos alunos. Para começar é suficiente, acreditar na possibilidade de mudança, ter a direção da escola como aliada e disposta a implementar o projeto e contar com a participação de professores que gostem de desafios. Essas são minhas pretensões para quando eu terminar o meu curso e ingressar nesta árdua, mas gratificante carreira de educador do Ensino Fundamental do 6º ao 9º ano e também do Ensino Médio.







4.     REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
DINHEIRO DIRETO NA ESCOLA. Disponível em: http://www.fnde.gov.br/index.php/programas-dinheiro-direto-na-escola. Pesquisa realizada em: 15 de dezembro de 2011.

HORTA. Silas Dumont Pires. Importância do Estágio Supervisionado em Cursos de Licenciatura. Disponível em: http://artigos.netsaber.com.br/resumo_artigo_22148/artigo_sobre_importancia_do_estagio_supervisionado_em_cursos_de_licenciatura. Pesquisa realizada em: 12 de dezembro de 2011.








































ANEXOS
















DIAGNÓSTICO – DOS ALUNOS (CIÊNCIAS)
Nº DE ALUNOS
QUESTÕES
SIM
NÃO
NÃO RESPONDEU
Gosta das aulas de Ciências?
19
01
04
Gosta dos assuntos trabalhados na disciplina de Ciências?
23
01

Possui livro didático de Ciências?
22
02

Nas aulas de Ciências são realizadas atividades práticas (experiências)?
24


Gosta de desenvolver atividades práticas (experiências) em Ciências?
22
02

Gosta de fazer os exercícios de Ciências?
21
03

Gosta de trabalhar em grupo?
19
05

Gostaria de ter aulas com materiais alternativos como, modelos, maquetes para trabalhar os conteúdos?
21
03

Tem alguma sugestão a fazer em relação às aulas Ciências?
12
12



CONTINUAÇÃO: DIAGNÓSTICO – DOS ALUNOS (CIÊNCIAS)

Nº DE ALUNOS
QUESTÃO
Compreender as fórmulas
Compreender os textos
Entender os conceitos das Ciências

Realizar os experimentos
Quais são as suas dificuldades na disciplina de Ciências?
10
06
15
01


CONTINUAÇÃO: DIAGNÓSTICO – DOS ALUNOS (CIÊNCIAS)
Quais são os recursos utilizados nas aulas de Ciências?
Nº DE ALUNOS
Quadro e giz
08
Livro didático
20
Filmes
04
Aulas práticas (experimentos)
11
Computador

Palestras e eventos
03
Outros
06







Nenhum comentário: